segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Jantar 24 de Janeiro de 2008

Meus queridos amiguinhos

Leva-se ao conhecimento de todos que no próximo dia 24 de Janeiro, quinta-feira, pelas 20.30, se irá realizar um jantar de contraternização para, e mais uma vez, reunir à volta de mesa quem connosco conviveu no liceu D. Filipa de Lencastre.

Comentem no blog, postem no blog, conversem via blog. Vale a pena, no entanto avisar e ir confirmando com todos os nossos amigos e conhecidos.

Quem não puder neste dia, temos muita pena, pois haverá sempre um dia em que alguém não pode, por isso vamos todos tentar estar presente e com o espírito de sempre.

O lugar que até à data foi sugerido foi a Portugália da Almirante Reis, podendo, caso o número de aderentes assim o justificar, pedir para nos dedicarem o primeiro andar, ou parte deste. Este local era ponto de encontro de tantos nós, onde se comia o bife com uma fantástica molhanga.

Na expectativa de muitas notícias de todos

BOM ANO!

domingo, 30 de dezembro de 2007

DA NOSSA CAIXA DO CORREIO DA CASA

«Boa noite,
Chamo-me ines e sou aluna do filipa desde 2001, encontro-me no 11º ano. Ao procurar o site da escola encontrei o vosso blog e como qualquer jovem tive curiosidade e vim espreitar. Fiquei bastante surpreendida, pela positiva claro!
Acho que o blog muito "flipado"! Os meus pais também andaram no filipa e fico contenmte ao ver que mesmo passado algum tempo o filipa marcou vidas. É com muito orgulho que estudo no filipa (tirando as tristes condições em que se encontra).
Mais uma vez parabens pelo vossso trabalho e desejo a todos um bom 2008
Cumprimentos Ines»
São mensagens assim que, na sua pura simplicidade, me fazem sentir que a vida é bela e vale a pena ser vivida intensamente enquanto se pode. Convido a Inês e os seus Pais a participarem no nosso blogue. Desejo igualmente à Inês um Bom Ano de 2008.
Saudações Filipadas.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

De Quem Por Cá Passou V: Maria de Lourdes Pintasilgo

Maria de Lourdes Pintasilgo foi outra aluna ilustre do Liceu Filipa de Lencastre.

Em 1941, aí inscrita, chegou a chefe de falange da Mocidade Portuguesa…

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Da nossa caixa do correio

"olá. também andei no Filipa de 79/84 acho... como é que posso postar?
Maria Eduarda Castanheira"

Um grande Natal para a Maria Eduarda e família. Aguardamos ansiosamente uma posta! De preferência com uma foto da época! Se não fôr possível, um olá é q.b.

sábado, 22 de dezembro de 2007

UM SANTO NATAL PARA TODOS

Natividade, 1650-1660
JOSEFA DE ÓBIDOS (1630 — 1684)
Óleo sobre Cobre, 21 × 16 cm
Colecção particular.

Da nossa caixa do correio

Disse o Rui Moura no dia 12 de dez! Há 10 dias! As nossas desculpas Rui!

Para quêm gosta de ouvir as musicas da juventude, que vão dos anos 50 a 1982, passando claro por 77 a 80.
http://www.tropicalglen.com/
Exemplo
1. Call Me, Blondie
2. Another Brick In The Wall, Pink Floyd
3. Magic, Olivia Newton-John
4. Rock With You, Michael Jackson
5. Do That To Me One More Time, Captain and Tennille
6. Crazy Little Thing Called Love, Queen
7. Coming Up, Paul McCartney
8. Funkytown, Lipps, Inc.
9. It's Still Rock And Roll To Me, Billy Joel
10. The Rose, Bette Midler
11. Escape (The Pina Colada Song), Rupert Holmes
12. Cars, Gary Numan
13. Cruisin', Smokey Robinson
14. Working My Way Back To You, Spinners
15. Lost In Love, Air Supply
16. Little Jeannie, Elton John
17. Ride Like The Wind, Cristopher Cross
18. Upside Down, Diana Ross
19. Please Don't Go, K.C. and The Sunshine Band
20. Babe, Styx

etc.
Um Abraço e BOM NATAL para todos

Agradecemos todos os votos de Boas Festas e os abraços que retribuímos com um ENORME pedido de desculpas pelo atraso.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

UM ANO DE BLOGUE COLECTIVO!

O blogue Liceu D. Filipa de Lencastre 1977 1984 completa hoje o seu primeiro ano de vida no formato colectivo. Estamos todos de Parabéns!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Liceu D. Filipa de Lencastre: A Génese

O Liceu Filipa de Lencastre foi criado no dia 21 de Setembro de 1928, para descongestionamento do Liceu Maria Amália Vaz de Carvalho que, no ano anterior funcionara com 838 alunas, número incomportável para o edifício em que estava instalado. Para iniciar o seu funcionamento, o Estado comprou um palácio brasonado à família Corte-Real na rua do Quelhas, nº 36.

Em 1934, esta secção alargou-se para a rua de S. Bernardo, nº 16, 1º e 2º andares, e para um anexo ao nº 14 desta rua. Em Janeiro de 1936, 540 alunas frequentavam este estabelecimento de ensino. O espaço apesar de ocupar já dois edifícios, tornava-se pequeno para tanta gente.
Por ocasião de uma sessão comemorativa do 1º Dezembro, no ano de 1937, a Reitora da escola, D. Maria Margarida da Silva, convida o então Ministro da Educação, Dr. Carneiro Pacheco, a deslocar-se ao edifício da rua de S. Bernardo. O Ministro ficou impressionado com a pobreza e o acanhamento das instalações e, ao retirar-se, afirmou: De hoje a um ano estarão noutro edifício.


A promessa cumpriu-se, mas não na data prometida.

Em 21 de Março de 1938, esta secção do Liceu Maria Amália Vaz de Carvalho passou a ter existência oficial no mesmo local, com a designação de Liceu Nacional D. Filipa de Lencastre. Em Fevereiro de 1931, tinha sido iniciada a construção de um edifício destinado a uma escola, no Bairro do Arco do Cego.

À frente dos destinos das obras públicas em Portugal Salazar colocou Duarte Pacheco. A partir de 1932, este engenheiro com funções de ministro gizou e mandou executar projectos viários e urbanos e encontrou em alguns arquitectos portugueses projectistas que corresponderam aos seus planos. Logo no início da década, Carlos Ramos assina o projecto para o Liceu D. Filipa de Lencastre, que, de par com tantos outros projectos de Liceus nacionais, marcava um desejo de espaço, de ordenação dos volumes, de apego a linhas modernas e funcionais. É já neste contexto que, em 1929, Carlos Ramos projecta o Liceu D. Filipa de Lencastre na rua do Quelhas, do qual apenas se construiu o pavilhão desportivo, com uma composição ainda simétrica mas revelando um desejo quase futurista na expressão volumétrica.

O Liceu foi depois projectado em 1932 por Jorge Segurado e construído entre 1933 e 1937 e inaugurado em 1940. Nesse ano, em 25 de Maio 1940, aí se deu início ao II Congresso da União Nacional, onde ficou registado para a História um célebre discurso de Salazar sobre A Preparação Nacional para o Pós Guerra.

Os Liceus de Lisboa e de Beja, projectados em 1930, são os primeiros exemplos da aposta de Duarte Pacheco na arquitectura como instrumento de promoção do regime constituindo, por isso, uma espécie de modelos que só seriam substituídos com o explendor nacionalista da Exposição do Mundo Português de 1938. Jorge Segurado no Liceu D. Filipa de Lencastre, relaciona o desejo de modernidade com o pitoresco do bairro social do Arco do Cego que envolve o conjunto. O lote é rigorosamente ocupado sujeitando a volumetria a um corpo quadrado com pátio e a um ginásio colocado a eixo com a entrada, não conseguindo evitar deste modo a composição simétrica.

Este edíficio vem finalmente dar cumprimento à promessa de Carneiro Pacheco. Em 10 de Novembro de 1939, o Ministro da Educação à data lavra o auto de entrega do edifício ao Liceu D. Filipa de Lencastre. No ano lectivo de 1940/1941 funcionou, já no Bairro do Arco do Cego, com 924 alunas.

Em 22 de Novembro de 1979, o Liceu passou a designar-se por Escola Secundária D. Filipa de Lencastre.

FILIPADA OU NÃO FILIPADA?

«Conquistador», Da Vinci.

Sempre ouvi dizer que esta rapariga — vocalista da banda que representou Portugal no Festival Eurovisão da Canção de 1989 — andou no Filipa, e que até costumava parar no Amarelo e tudo. Eu não me lembro dela. Alguém esclarece isto?

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

De Quem Por Cá Passou IV: Maria de Lourdes Modesto

Outra passagem ilustre, desta vez como Professora, a autora do melhor e mais honesto levantamento da Cozinha tradicional portuguesa: Maria de Lourdes Modesto.

Quando acabei o curso fui trabalhar no Instituto Médico-pedagógico Condeça de Rilvas, que albergava crianças com deficiência mental. Mas como tinha de leccionar durante três anos, fui dar aulas para o liceu Filipa de Lencastre.


In: (salvo erro) entrevista à Gente, em ano incerto.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Memórias de 1979,80...


O meu filho ajudou recentemente o liceu a organizar um campeonato de Voleibol para angariar fundos para o Habitat for Humanity-Youth Program, do qual é representante.

Na sequência de me convencerem a participar, andei para aqui a rebuscar coisas dos meus tempos de voleibol no Filipa, porque os putos não se acreditavam que esta “quarentona” foi uma vez uma “teenager” como eles. Já não ha respeito! :)

Bem, uma coisa puxa a outra, e acabei por desencantar algumas fotos mais antigas com uns cortes de cabelo à maneira. (ainda bem que não há fotos a corpo inteiro com aquelas calças apertadíssimas (e aliás, muito horríveis) que eu pensava que me ficavam a matar. Coisas da moda!


Belos tempos em que joguei pró Filipa. “Adorava” os treinos rigorosos que a professora Maria Adelaide Patricio nos dava quase todas as tardes no ginásio. Aquelas bolas medicinais que prendiamos entre os tornozelos e levantávamos até quase à cintura (enquanto suspensas pelas mãos nos espaldares de madeira) ainda hoje me dão pesadelos.

Ainda me recordo quando ela nos proporcionou um jogo amigável contra os meninos do Colegio Militar, onde o seu marido (se não me engano) era professor de educação fisica. Ricas memórias (não sei bem se do jogo ou daquelas estampas de rapazes que fizeram o deleite destas raparigas).

O que me resta, são umas mazelas nos pulsos e tornozelo direito, a lembrança de inúmeras nódoas negras nos joelhos, e as recordações de uma célebre viagem à Guarda para um campeonato emtre liceus de várias partes do país.

Ficámos o fim-de-semana numa estalagem de estudantes-eu, num quarto no terceiro andar com mais três ou quatro colegas e com uso de uma única casa de banho para a malta toda. E muita muita àgua fria, que a àgua quente não chegava nem ao terceiro andar nem pra todos nós.

Na última noite ninguém se deitou. Fizemos uma directa, arrancámos os tacos do soalho do corredor (a titulo de protesto contra a falta de àgua quente...e alias eles até já estavam um “bocadinho” levantados, claro!), e a caminho de Lisboa quem adormecesse era castigado com uma belíssima foto com a cara cheia de pasta dos dentes. Por acaso gostei daquele pequeno almoço.
Quem será que tem essas fotografias?



Filipados(as) Por Todo o Lado


Maria Alice Ribeiro (1930-2000)

Coerência ideológica e um profundo instinto de lutadora indomável é o que ocorre dizer sobre Maria Alice Ribeiro, jornalista e interventora social ao longo dos seus setenta anos de vida, agora que uma doença, curta mas imperdoável, a arrebatou do convívio dos seus e da comunidade que sempre procurou servir.
Controversa e de escrita sibilina, apaixonada defensora de ideias e maneiras de estar na vida, deixa uma marca indelével na vida da comunidade Portuguesa do Canadá.
Num retrato mais detalhado, era senhora de um grande coração, defendendo muitas vezes causas perdidas mas sempre com uma generosidade e um apego denodado.
Passou pelo Liceu D. Filipa de Lencastre, Escola Lusitânia de Comércio e Escola de Artes Decorativas (Arte Aplicada) de António Arroio. Todas em Lisboa. Ainda na capital portuguesa, estudou na Escola Nacional das Belas Artes até ao fim do último ano lectivo.
Tirou o Curso Geral de Enfermagem na Escola das Franciscanas Missionárias de Maria, durante o qual organizou a Associação das Enfermeiras Católicas. Ao terminar o curso, partiu para St. Alban's (arredores de Londres, Inglaterra), onde se especializou. Tinha o Curso de Jornalismo pelo Instituto Técnico Profissional do Rio de Janeiro.
A actividade radiofónica mereceu também a sua atenção, tendo começado na Rádio Universitária, passando pela Rádio Graça e Rádio Renascença, e na Emissora Nacional organizou, produziu e apresentou o programa "Ouvindo as Estrelas" durante largo tempo. Escreveu para os jornais de Lisboa "Voz" e "Novidades", e com o Dr. Manuel de Athaíde fundou e produziu a revista "Portugal" (história e cultura), que nos anos 50 interessou um vasto sector da capital portuguesa.
No desporto, distinguiu-se em "ralis" e "gincanas" e em pilotagem de aviões ligeiros, além da prática de ginástica aplicada e ténis.
Nas suas últimas actividades em Portugal, salientou-se como secretária de economato e abastecimentos na Cadeia Central de Mulheres, em Tires, mormente no sector social e aquisição de material moderno para o Departamento de Saúde.
Em 1958, rumou para o continente norte-americano com uma Bolsa de Estudos. Altura em que inicia uma série de "Cartas da América", publicadas no jornal "Novidades" de Lisboa.
Finda que foi a Bolsa de Estudos, decide ficar pelas Américas, fixando-se em Washington a trabalhar para o Adido Naval Brasileiro e, depois, junto da Missão Brasileira nas Nações Unidas. É a partir de Nova Iorque que inicia a colaboração no jornal "A Luta", de Monsenhor José Cacela. Em 1962 contrai matrimónio em naquela cidade e, três meses depois, chega a Toronto. Ainda nesse ano colabora voluntariamente nos serviços sociais de St. Christopher's House, toma a iniciativa de organizar o Rancho Folclórico "Nazaré" e com outros elementos da comunidade dá início à fundação da "Luso-Canadian Association" _ uma organização de carácter social.
Particularmente nos anos 1964/1965, deslocou-se várias vezes a Ottawa, quando era embaixador de Portugal o historiador Eduardo Brazão, com o qual trabalhou no projecto da estátua de Gaspar Corte Real, inaugurada na Praça da Confederação, em frente do Parlamento Provincial na cidade de St. John's, Terra Nova (Newfoundland), a 8 de Setembro de 1965.
As galerias Almada Negreiros (Consulado) e Corte Real (First) têm muito da sua iniciativa, dedicação e trabalho, como também o Centro da Terceira Idade (First Portuguese). Em 1978, colaborou na organização das comemorações do 25.º aniversário da chegada dos primeiros imigrantes portugueses ao Canadá.
Visitou a Terra Santa, Atenas e Roma a convite de El-Al Airlines e o Brasil a convite da Varig Airlines. Esteve durante duas semanas nas ilhas Bermudas como hóspede do Governador daquela jóia da coroa britânica e na África do Sul a convite do Governo Sul-Africano, feito pessoalmente pelo seu embaixador no Canadá, que se deslocou a Toronto com essa finalidade.
Pelo Presidente da República Portuguesa, antes de 1974, foi-lhe atribuída a Comenda de Mérito, que agradeceu e não aceitou.
O projecto inicial do Conselho das Comunidades deve-se à sua visão e iniciativa, depois de exposição e conversações havidas em Lisboa. Daí a sua participação, colaboração, organização e actividades em reuniões feitas quer em Portugal, quer nos Estados Unidos e Canadá.
Em 1963, dando concretização a um projecto "antigo", aparece o Jornal Correio Português, a que deu o melhor de si própria ao longo de 37 anos feitos em Julho passado.
Maria Alice Pereira de Gouveia Ribeiro nasceu em Lisboa no dia 8 de Setembro de 1930.
Faleceu em Toronto no dia 16 de Outubro de 2000, no Hospital Mount Sinai, Toronto.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

De Quem Por Cá Passou III: Natália Correia


Natália de Oliveira Correia nasceu na Ilha de São Miguel, nos Açores, a 13 de Setembro de 1923.

Estudou no Liceu Antero de Quental até 1934, ano em que se mudou para o Liceu D. Filipa de Lencastre, em Lisboa.

UMA DIVA DOS NOSSOS TEMPOS

Trailer de Streets of Fire (E. U. A., 1984), de Walter Hill, com a sensualíssima, rebelde e romântica Diane Lane, que representou para a nossa geração — neste e noutros filmes dos anos 80 — o que Natalie Wood foi para a dos nossos Pais.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Hi5 e mais filipados

A achar que o Hi5 era só para a arraia miúda fui espreitar e encontrei uns filipados perdidos que não sabiam do blog. Criei um grupo (Filipa de Lencastre 77/84) e apareceram logo, a pedir acesso ao blog. Estou a reencaminhá-los para a caixa de correio da casa para o Francisco depois mandar convites porque eu não sei.
Bemvindos!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

domingo, 2 de dezembro de 2007

De Quem Por Cá Passou II: Ana Maria Caetano


Da única filha de Marcello Caetano, a “Primeira Dama” emprestada a um Estado Novo reformista, ficaram memórias gratas da passagem por este Liceu.

Completada a instrução primária, Ana Maria entrou para o Liceu Filipa de Lencastre, onde se relevou rebelde e mal comportada para os padrões rígidos da época. Estava constantemente a ser chamada à reitora, por sair da sala antes do toque da campainha e correr escadas abaixo, corredores fora, na ânsia de ser a primeira a chegar à sala de jogos e «ganhar» a mesa de pingue-pongue. A que chegasse primeiro era «dona» da mesa, obrigando as colegas a ficar em fila, à espera que ela se fartasse e as deixasse jogar. A sua companheira de tropelias era Isabel Barahona Fernandes, filha do psiquiatra com quem Marcello repartia a dúvida de saber qual das duas seria a pior. Um dia atiraram uma barata morta para dentro da sala de aulas, quando a professora ia a entrar, provocando o alarido que se pode imaginar.

Ana Maria ia muitas vezes brincar com Isabel para casa dos Barahona Fernandes. A casa era no Hospital Júlio de Matos, de que o psiquiatra era director, o que levava os irmãos, encarregados de a acompanhar à porta, a dizer no gozo que a iam levar ao tratamento. Era uma vivenda isolada, de dois pisos, situada no perímetro do hospital, longe das enfermarias, no rés-do-chão da qual habitava o pianista Vianna da Motta, sogro de Barahona Fernandes.

A agitação constante das duas raparigas não podia dar bom resultado: no 5º ano (actual 9º), Ana Maria chumbou a Ciências e, entre lágrimas e suspiros, pediu à mãe para deixar de ir ao liceu e passar a estudar em casa. Não fora a circunstância de ser rapariga e a brincadeira teria tido outras consequências. Marcello ainda ralhou, mas acabou por concordar, depois de negociar com a filha uma aposta pesada: 500 escudos para dispensar às orais do 7º ano (equivalente ao actual 11º e que na altura era o fim do ensino secundário). O estudo passou a ser orientado por uma professora multidisciplinar, assessorada por «mademoiselle» Roger - que ensinava francês, história e geografia - e uma preceptora inglesa. Ana Maria acabou por ganhar a aposta e perceber, pela primeira vez na vida, o que era isso de estudar.


In: Expresso Revista 23/6/2001.

sábado, 1 de dezembro de 2007

JANTAR DO BLOGUE (INSISTE...!)

No dia 19 de Dezembro este blogue completará um ano de vida no formato colectivo. Será este o pretexto indicado para todos aderirem à rija jantarada tão fortemente desejada por uma determinada minoria? (Sugiro, desde já, que a coisa se faça no Sábado, dia 22 de Dezembro.)

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Letras pequeninas

Francisco, João e outros administradores: já descobri porque é que isto volta e meia fica tudo com as irritantes letras pequeninas. Acontece sempre que alguém acaba um post com letra pequena: toda a restante página (daí para baixo) fica formatada com a mesma fonte. Aconteceu agora com o post "Eu acho que esta é pra todos… " e, descobrindo em html, bastou repor o último caracter desse post com tamanho normal. Tudo voltou ao sítio. Fica a receita.
(Nota: Peço desculpa à Isabel por lhe ter mudado o tamanho do asterisco).

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Eu acho que esta é pra todos…

Esta foi-me enviada por email pelo meu pai, de certo com o "apoio" do meu mano (o qual não se escapa de ser incluido porque nasceu em 75)
Obrigadinha papá! Compreendi perfeitamente... ;)

Nasceste antes de 1986? Já tens uns anitos?
Deixa lá não penses nisso e lê:

*De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 60, 70 e princípio de 80 não devíamos ter sobrevivido até hoje,porque as nossas caminhas de bebé eram pintadas com cores bonitas em tinta á base de chumbo que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos. *
*Não tínhamos frascos de medicamento com tampas "à prova de crianças" ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas. *
*Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes.
Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags - viajar á frente era um bónus. *
*Bebíamos água da mangueira do jardim e não da garrafa e sabia bem.
Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora.
Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos disso.
Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e depois andávamos a grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que esquecemos de montar uns travões.
Depois de acabarmos num silvado aprendíamos.
Saímos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que estivéssemos em casa antes de escurecer. Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso. *
*Não tínhamos Play Station, X Box.
Nada de 40 canais de televisão, filmes de vídeo, home cinema, telemóveis,computadores, DVD, Chat na Internet.
Tínhamos amigos - se os quiséssemos encontrar íamos á rua.
Jogávamos ao elástico e á barra e a bola até doía!
Caíamos das árvores, cortávamo-nos, e até partíamos ossos mas sempre sem processos em tribunal. **
*Havia lutas com punhos mas sem sermos processados. *
*Batíamos ás portas de vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de sermos apanhados. *
*Íamos a pé para casa dos amigos. Acreditem ou não íamos a pé para a escola; não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem.
Criávamos jogos com paus e bolas. *
*Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais nos safarem, eles estavam do lado da lei.
Esta geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre. *
*Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas. *
*Tínhamos liberdade, fracasso, sucesso e responsabilidade e aprendemos a lidar com tudo. *
*És um deles?*
*Parabéns!*
*Passa esta mensagem a outros que tiveram a sorte de crescer como
verdadeiras crianças, antes dos advogados e governos regularem as nossas vidas, "para nosso bem". *
*Para todos os outros que não têm idade suficiente pensei que gostassem de ler acerca de nós. *
*Isto meus amigos é surpreendente... e talvez ponha um sorriso
nos vossos lábios: A maioria dos estudantes que estão nas universidades hoje nasceram em
1986...chamam-se jovens. *
*Nunca ouviram "we are the world" e "uptown girl" conhecem de westlife e não Billy Joel.
Nunca ouviram falar de Rick Astley, Banarama ou Belinda Carlisle.
Para eles sempre houve uma Alemanha e um Vietname. *
*A SIDA sempre existiu. *
*Os CD sempre existiram.
O Michael Jackson sempre foi branco. *
*Para eles o John Travolta sempre foi redondo e não o conseguem imaginar como um deus da dança.
Acreditam que Missão impossível e Anjos de Charlie são filmes do ano passado. Não conseguem imaginar a vida sem computadores. *
*Não acreditam que houve televisão a preto e branco. *
*Agora vamos ver se estamos a ficar velhos: *
1. Entendes o que está escrito acima e sorris
2. Precisas de dormir mais depois de uma noitada
3. Os teus amigos estão casados ou a casar
4. Surpreende-te ver crianças tão á vontade com computadores
5. Abanas a cabeça ao ver adolescentes com telemóveis
6. Lembras-te da Gabriela (a primeira vez)
7. Encontras amigos e falas dos bons velhos tempos
8. Vais encaminhar este e mail para outros amigos porque achas que vão gostar.*
*SIM ESTÁS A FICAR VELHA heheheh , mas tivemos uma infancia do caraças... !!! *

terça-feira, 27 de novembro de 2007

De Quem Por Cá Passou I: Alice Vieira


A memória dos sítios é a da alma de quem lá passa. A justificar este Blog, volta e meia aqui hei-de deixar a notícia de quem passou por este Liceu e as palavras cúmplices dessa confissão. De contemporâneos ilustres, alunos ou mestres, algumas surpresas inesperadas, de que poucos saberão ter sido colegas ou discípulos – mesmo que desfasados na geração.

Pela origem de Escola feminina, ninguém se admirará se predominarem as senhoras…

E hoje aqui deixo Alice Vieira, a autora de muitos dos contos com que nos acordaram a infância. São dela as memórias:

A minha infância, acho que só começou quando entrei no Liceu Filipa de Lencastre e pela primeira vez brinquei com gente da minha idade.
In: Antologia Diferente: De que são feitos os sonhos? Alice Vieira, Areal Editores, 1986, pág. 183

Nos tempos pré-históricos em que andei no Liceu Filipa de Lencastre, tive uma professora de Física, chamada Adelaide Graça, que nos tratava a todas por "monstros". "Ó meu monstro, então tu não vês que isso é um disparate?". "Anda cá, meu monstro, que fizeste um óptimo trabalho!"
“Às vezes levava o requinte ao ponto de nos dar leves palmadas nas mãos com o ponteiro. E o que nós gostávamos dela! E como aquele" monstro" nos aquecia o coração!
Quando lhe cabia a missão de vigiar exames ou de fazer orais, lá vinha o "monstro" para nos fazer sentir à vontade " Vá lá, meus monstros, que só têm mais um quarto de hora!", "Ó meu monstro, eu sei que tu sabes, ora pensa lá bem!".
E aquilo era o suficiente para nos tranquilizar. E o exame corria muito melhor.

In Jornal de Noticias, 27 de Maio de 2007 crónica de Alice Vieira

Os sete anos que passei no Liceu Filipa de Lencastre foram dos melhores da minha vida. Chegava a inventar aulas que não existiam só para poder ficar lá mais tempo.
In Autobiografia, Alice Vieira

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Um contributo/apresentação



Aqui vão dois instantâneos de uma nossa participante neste espaço. A Madalena Silva Carvalho, actualmente Pimentel. Estas fotos foram tiradas numa festa/venda de Natal no Colégio Sagrado Coração de Maria em Lisboa neste fim de semana.

sábado, 24 de novembro de 2007

A não perder

Hoje, a crítica de Vasco Pulido Valente (ou Vasco Correia Guedes) sobre o romance de Miguel Sousa Tavares "Rio das Flores" no Público, em P2 páginas 6 a9.

Quem já leu o livro, como o meu caso, foi interessantíssimo verificar a opinião de alguém que deve ser, em Portugal, quem melhor e mais profundamente sabe da história do final do Século XIX e princípio do Século XX.

Quem não leu o livro arranje o artigo e cole-o, agafe-o ou de algum modo anexe-o ao livro de modo a não perder uma excelente avaliação crítica do mesmo.

Já agora não gostei do livro, está longe do Equador, e, às vezes, é abusrdamente chato. Por outro lado há ali uma marialvismo de esquerda engraçadíssimo.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Jantar Filipa 2007

Esta é só para relembrar a alguns que são visitas mais recentes. São fotos de alguns que foram ao jantar feito no princípio deste ano.

I want you to want me

Quem se lembra da sala de convivio criada no piso 0 do Filipa e da música que permanentemente lá se ouvia ?



Aquilo durou o tempo suficiente até perceberem que a "festa" estava a durar há demasiado tempo e com mais intensidade que o previsto.

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Olhó CARAMELO!

Então não é que temos por aqui um caramelo que anda a querer fazer figura?

Eu já disse ao caramelo que se o "gajo" quizer que se chegue à frente, porque aqui a malta já não tem dentes para caramelos!

Meu caro Paulo, ou até mesmo caramelo, venha lá daí uma postazinha acompanhada com uma foto da altura para nós todos rebolarmos a rir de saudades!

"Olá,

Encontrei por acaso o vosso grupo de antigos alunos do Filipa de Lencastre nos anos em que lá estudei (de 77 a 82 creio eu).
Gostava que adicionassem o meu endereço de mail à vossa lista, para ser incluido no próximo jantar/encontro, que para mim será o primeiro.

Mais vale tarde que nunca.

Paulo

P.S. – Conhecido na altura como o “Caramelo”"

Ó meu amigo, na altura e agora!

terça-feira, 20 de novembro de 2007

sábado, 17 de novembro de 2007

É BONITA A FESTA, PÁ!

Dia 19 de Novembro, na segunda-feira, esta piquena casa lusitana — espaço de convívio da rapaziada filipada — completará um ano de vida. Associando-se à festa, o contador regista já a bonita marca de 20.000 visitas (terão andado todos no Filipa?). Parabéns ao Francisco!

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Jantar

Quem é que está com vontade de ir jantar no dia 19, no Entrecopos aí pelas 20,30?

domingo, 11 de novembro de 2007

Armando Rafael

Um grande bem haja para este Filipado que nos deixou tão prematuramente na 6ªfeira e em condições tão insólitas...

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Seguindo o exemplo do Luís


Em 1982 e com uma das minhas camisolas preferidas. É, ao mesmo tempo, uma prova do cabelo que naquele tempo abundava na minha cabeça.

CHAMA-SE O COMANDANTE FRANCISCO À TORRE DE CONTROLE

Há uma jovem filipada em apuros na caixa do correio da casa. Vê lá se lhe dás uma mãozinha.
Um abraço para ti e saudações filipadas para todos.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Receitas de Estacionamento


Oh Francisco, estacionamento por cá também tem das suas…ainda há dois domingos atrás passei mais de uma hora para ir desde a 96ª Rua até à Broadway. Saí de casa quase com duas horas de antecedencia para ter tempo de um café no Theater District antes de um show, e afinal chegámos dez minutos atrasados.
Além de acabar por pôr gasolina em NYC a quase mais um dólar o galão que em New Jersey, procurar infrutiferamente por um parquimetro livre, “lutar” contra taxistas meios malucos e peões que quer tenham o verde ou vermelho avançam sem medo dos carros, lá consegui estacionamnto no terceiro parque de estacionamento que encontrei.

E no final do show, vá de pagar $42 de estacionamento …Bem sei que foi mais barato do que pagar uma multa de $65 ou mais por estacionamento ilegal no Theater District, mas prá próxima vou de comboio. Já devia ter aprendido a lição.

COISAS QUE NÓS OUVÍAMOS DELICIADOS (VÁ-SE LÁ SABER PORQUÊ) — II

«Allways the Sun», The Stranglers.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Da net



Esta é uma piada que anda na NET. Ó Luís, Isabel e outros que andam lá fora a lutar p'la vida (como dizia a nossa Hermínia Silva), a Emel é a empresa municipal de Lisboa cujo principal trabalho é a recolha de receitas para redução do déficit nacional e municipal, paralelamente poderão, se as pessoas muito insistirem ajudar a coordenar o estacionamento. Mas neste último ponto não vale a pena pedir muito.

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

E o que nos diz o Borda d' Água?

No dia 1 o Sol nasce em Lisboa às 7 horas e 3 minutos, sendo o Ocaso às 17 horas e 37 minutos, pelo que o dia tem a mísera quantia de 10 horas e 34 minutos! No final do mês, a 30 de Novembro o Sol nascerá pelas 7 horas e 39 minutos, sendo o Ocaso às 17 horas e 7 minutos, ou seja teremos umas míseras 9 horas e 28 minutos!

E agora o que é absolutamente fundamental!

Pomares, estercá-los no crescente, podá-los no minguante, protegê-los das geadas. Plantar cerejeiras, pessegueiros , pereiras e macieiras, no crescente.
Plantar batata (nas zonas secas para colher no seco), alho, couve temprã, tremoço. Semear cereais, fava, ervilha, e em camas quentes alface, beterraba, cebola, nabiça, nabo, rabanete e tomate. Colher azeitona, beterraba. Arejar o fruteiro.

Na Horta semear agrião, alface, cenoura, couves, com excepção da couve-flor e bróculos.

No Jardim estercar covas para a plantação na Primavera de àrvores ou arbustos, e estacar as plantas contra o vento. Plantar bolbos de flores e roseiras. Podar roseiras.

O gado transita para o regime seco com feno, palha e grão." - Fim de citação

Agora meus queridos urbanos:

Para a próxima vêz que forem ao supermercado pensem aqui neste espaço e vão às secção de jardinagem, escolham um pacotinho de salsa, ou coentros, ou nabiças ou espinafres. Arranjem um vaso, ou um canteiro na varanda. Se tudo correr bem lá para o Natal vão ter umas muito agradáveis surpresas!

E...

E, não por acaso, faz 576 que morreu D. Nuno Álvares Pereira, o Santo Condestável, ou Beato Nuno de Santa Maria.

Efemérides

Faz hoje 252 que às 9.20 da manhã a terra tremeu brutalmente em Lisboa (para mais informações podem ir à wikipédia)

Kiss - I Was Made For Loving You

Uma grande malha dos Kiss para todos voçês!

Ouvi esta música na rádio esta semana e em tempo me lembrei de a colocar aqui!

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Abertura da Novela da RTP - Vila Faia

Alguém se lembra?

Mais um "contribuinte"

O Luís Cabeçadas aceitou o nosso convite e já é mais um da geração de 63 que entra no activo. Pelo que sei, o Luís entrou no Filipa no 10º ano e no ano de 1978! Foi um dos que "inaugurou" as violentas viagens de finalistas a torremolinos que deixaram uma memória "diferente".

Sê bem vindo Luís!

domingo, 28 de outubro de 2007

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Apesar dos pesares

Apesar de tudo - da falta de obras e da chuva cair nas salas de aulas, que o Ministério da Educação prometeu resolver brevemente - o nosso liceu continua bem colocado nos rankings das escolas (ver o do "JN"): o 17º lugar não é nada mau, pois não?

História em Palavras


Voltando ao assunto do fim da monarquia em Portugal, aqui vai o discurso de Afonso Costa, deputado republicano, na Câmara dos Deputados em 20 de Novembro de 1906, que encontrei nestas prateleiras...

Rei D.Carlos I Portugal

Quem me mostrou este filme foi o PPM no 31 da Armada.

domingo, 21 de outubro de 2007

Genesis-Abacab.

Um som fantástico, inigualável. Deixo esta para as filipadas e filipados que são, como eu, grandes fãs destes caramelos. Beijos e abraços.

Déficit a 3%


Neste instantaneo estavam 10 Emélicos a gozarem um bloqueio! Deviam estar a estagiar! De acordo com o OE para 2008 a espectativa é uma cobrança de receitas via código da estrada de mais 50%!
Assim, e a jeito de aviso, o melhor mesmo é começarem a preparem-se para as "gift shops" que a autoridade vai abrir pelo país.

Noutro dia


Vejo este Mini num sinal vermelho. Lembro-me de uma menina que também andou no Filipa que tinha um carrinho destes! Branco e tudo. Um beijinho para ela e para a mana!

sábado, 20 de outubro de 2007

Meus caros amigos

Como já dizia o poeta, o mundo é feito de mudança, assim as balizas temporais deste espaço são apenas uma memória afectuosa do que se procurou fazer neste espaço: Reunir os velhos amigos do Filipa. Nunca me passou pela cabeça que tivesse tanta adesão e mais "idades" quizessem participar.

O horizonte inicial era 1977-1980, depois passou de 1977-1984. Por mim pode mesmo passar a simplesmente FilipaLencastre!

Beijos e abraçinhos a todos

Patti Smith's

A música que mais me marcou da Patti Smith. Saíu em 1978 no album Horses.

E um beijo de boas vindas à Diana

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

OBRIGADA PELO CONVITE

Obrigada pelo convite....Será que dá para alargar a data de 84 para 89. Todos os Filipados que entraram em 77 acabaram o 12ºano até 1984?...Geração prodígio....Que tal irmos ao concerto da Patti Smith dia 28/10 (deixo aqui a informação). Eu vou e levo um lenço verde amarrado na mão esquerda...Beijinhos. Espero conhecer-vos...Diana

Patti Smith and her band 28 de Outubro – 22h00 (abertura de portas às 21h00) * -Coliseu dos Recreios

Preço Bilhetes:
1ª Plateia
30€
2ª Plateia
27,50€
Balcão (S/ Marcação )
25€
Camarotes de 1ª Frente (6 pessoas)
150€
Camarotes de 1ª Lado (5 pessoas)
125€
Camarotes de 2ª Frente (6 pessoas)
150€
Camarotes de 2ª Lado (5 pessoas)
125€
ver sala

JANTAR DO BLOGUE

Dia 19 de Novembro (de hoje a um mês) este blogue completará um ano de vida. Foi nessa data que o Francisco B T o criou. Parece-me ser um bom pretexto para se fazer uma rija jantarada.

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

terça-feira, 9 de outubro de 2007

ALAMEDA DIGITAL

Nota: O novo director da Revista, o meu bom amigo Pedro Guedes da Silva, também andou no Filipa, embora tenha entrado apenas em 1985, e, como tal, esteja fora das balizas deste blogue. (Alarga lá essas datas, ó Francisco!)

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Petição contra a discriminação dos pais casados e viúvos em sede de IRS

Petição contra a discriminação dos pais casados e viúvos em sede de IRS

O código do IRS prevê que todos os pais, à excepção dos casados ou viúvos, possam deduzir até 6.500 EUR por filho.

Esta situação de discriminação contra os pais casados ou viúvos já dura há imensos anos, tendo sido objecto de imensas reclamações, intervenções na comunicação social, etc, sem que tenha merecido por parte dos governantes a mínima atenção.

Isto está certo? Isto faz sentido?

Muitos casais têm, lógica e legitimamente, optado por não se casarem ou por se separarem a fim de não serem vítimas desta discriminação.

Num gesto de cidadania responsável, várias associações de família, entre as quais a APFN, optaram por levar à mudança da lei, uma vez que leis iníquas não contribuem para a dignificação do povo a que se destinam, pelo contrário.

Nesse sentido, está a decorrer na internet uma petição (http://www.forumdafamilia.com/peticao) para ser entregue ao Presidente da Assembleia da República, Primeiro-Ministro e Ministro das Finanças, para acabarem com esta discriminação.
A fim de não prejudicar as finanças públicas, é sugerido que esta dedução passe a ser igual a metade do actual valor (ou seja, 3.250 EUR por filho) para todos os pais, independentemente do seu estado civil, uma vez que, infelizmente, hoje em dia o número de filhos de pais casados ou viúvos já é só metade do número total de jovens e crianças, ou seja, é igual ao número de filhos de pais com outro estado civil.

Assine e divulgue!

Qualquer pessoa pode assinar esta petição, desde que concorde com o seu conteúdo!

Não discriminamos ninguém, nem baseado no estado civil nem na idade!

Os seus filhos, mesmo menores, também podem e devem assinar. Eles são as principais vítimas desta lei!

6 de Outubro de 2007


Rua José Calheiros, 15
1400-229 LISBOA
direccao@apfn.com.pt
Tel: 217 552 603 / 917 219 197 / 919 259 666

domingo, 7 de outubro de 2007

Aniversário

Ontem não foi só a SIC que fez anos, também me podem dar os parabéns....
...42 já cá cantam e ninguém mos tira...

sábado, 29 de setembro de 2007

Esc. Sec. Filipa de Lencastre

Encontrei no youtube este filme de campanha de Helena Roseta, mas no fundo acaba por reflectir o estado actual da nossa Escola/Liceu.

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Faz anos


Brigitte Bardot. Intemporal.

Real Efeméride


Nasceu em 1863, a 28 de Setembro, em Lisboa, um dos Reis de Portugal que mais admiro. Cobardemente assassinado por um grupo de terroristas. Deixou mais obra que todos os Presidentes da I República.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Faz anos


Não o disco, mas Meat Loaf! O rapaz faz 60 anos hoje. Não se esqueçam de mandar os parabéns ao Vôvô. Dos tios, claro!

Efemérides

Em 1968 estreia-se em Londres o musical Hair que, ainda que não sendo exactamente do nosso tempo, deixou algumas estravagantes marcas que nos tão deliciosamente cumprimos.

Praça Pasteur


Esta tem uma certa graça

Parece um cartaz promocional.

Todas estas fotografias foram devidamente gamadas do Arquivo Municipal de Lisboa e andam todas pela década de 50.

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Isto anda uma canseira

Nem sequer há tempo para acompanhar o que por aqui se escreve, tal a fartura dos postes.

domingo, 23 de setembro de 2007

Novamente o Borda d'Água

Hoje já estamos no Outono, desde as 10h e 51m!

É, portanto o dia do Equinócio.
Fico tambvém a saber que é o dia da entrada do Sol no Signo Balança.

E finalmente, é o Dia do Mar.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

A ler

Hoje no DN, que transcrevo (tipo copy/paste):

Prioridade passa pela protecção do montado

Centenas de perus passeiam ao ar livre, num enorme cercado. São de raça autóctone, em tempos aqui criada, e bicam o chão. Não tomam antibióticos para curar constipações e crescem naturalmente, sem químicos na alimentação. Na Herdade do Freixo do Meio, em Montemor-o-Novo, é tudo assim, biológico. E o cuidado na criação estende-se à transformação e à distribuição.

A aposta faz-se na diversificação e na excelência do produto. Mas aqui há outra prioridade essencial: proteger a biodiversidade. Há que atenuar os danos causados nas espécies e habitats, pois é nelas que assenta todo o negócio.

"Num mundo morto, não há negócio", afirma Alfredo Cunhal Sendim, gestor da propriedade, olhando à volta e enunciando as potencialidades do montado. "Os animais comem as plantas baixas, a árvore pode crescer, dá fruto, sombra e abrigo para outras espécies. E, se não fosse pela beleza e tranquilidade desta paisagem, ninguém gostava de vir para cá. É um habitat muito complexo e rico", afirma, explicando que nada é ao acaso e a gestão é complexa, cartografada e registada.

"Aqui, o montado parece abandonado porque os arbustos estão altos. Ali está mais limpo. Mas, neste lado, os animais podem esconder-se, comer. Ali há pouca matéria orgânica, pois é uma forma de parar as chamas em caso de fogo. Daqui a uns dias isto vai ser o reino dos porcos, que aqui vão ser libertados para comerem as bolotas." A estratégia da empresa Sousa Cunhal foca-se, acima de tudo, na regeneração do montado e na exploração máxima das suas potencialidades. "Sem este sistema de diversidade biológica, vivo e forte, não temos actividade económica.

"Desta herdade alentejana saem hortícolas, enchidos, vinho, cereais, azeite, perus, derivados de ovelhas e cabras. E muito mais. Aposta-se na caça, planifica-se a exploração turística e abre-se a porta a acções de formação e sensibilização. Proteger as espécies de fauna como o gato-bravo, de flora como a orquídea ou um habitat de excelência, como o montado, é mais do que uma preocupação ambiental, é uma imposição ética que resume a filosofia da empresa. A mesma preocupação está subjacente quando se prefere uma forma de sementeira que não revolve a terra e evita a libertação de carbono para a atmosfera, se escolhem raças autóctones ou se utiliza um sistema israelita que mistura os ingredientes que servem de alimento ao gado de forma eficiente. "Temos de encontrar formas de negócio compatíveis com a biodiversidade. Na nossa actuação, temos de pensar nas próximas gerações", diz.

Negócio e biodiversidade. É esta associação de ideias que está subjacente à estratégia da Herdade do Freixo do Meio e que vai ao encontro do conceito que o Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) quer fomentar. Por isso, foi assinado ontem um protocolo entre as duas entidades. O Freixo compromete-se a continuar a desenvolver a sua produção de forma biológica, promovendo a eficiência energética e a poupança dos recursos naturais. O Estado, através do ICNB, prestará auxílio técnico, por exemplo, na identificação de acções de gestão que possam constituir-se como medidas compensatórias da perda de biodiversidade.

Parabéns ao nosso estimado colega.

Nota: Também ficamos a saber de onde é que vamos mandar vir o porco para o assar ( isto se algum dia alguém se voltar a lembrar disso).

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

EFEMÉRIDES FILIPADAS: 1977 — 2007

Venho aqui deixar abraços e beijos a todos os Filipados e Filipadas que entraram no Liceu Nacional de Dona Filipa de Lencastre há exactamente 30 anos. A famosa e marcante Geração de 1977. Estamos em Setembro. Foi agora. O abraço especial vai para o grande Francisco B T. Vocês são os maiores. I mean it!

Faz anos


Sophia Loren. Não interessa quantos faz.

Borda d'água

Meus amigos, já está à venda o almanaque mais precioso, o Borda d'Água.

Tem todas as informações mais úteis que alguma vez poderíamos pensar necessitar. Vejam bem:
Hoje é feriado municipal em Ponte de Lima e em Vila do Bispo.
Hoje há feiras em Cabeceiras de Basto, em Elvas, em São Bartolomeu de Messines e em Silves.
Estamos a dois dias do Outono.
Durante o mês de Setembro o dia diminui em Lisboa 1 hora e 13 minutos e no Porto 1 hora e 18 minutos.

E agora o fundamental:
Vindimar! Estercar as terras e semear no minguante.
Ceifar o arroz. Colher amêndoa e azeitona
No crescente continuar a semear o centeio e a cevada, nas terras quentes, e plantar, com as primeiras chuvas os morangueiros, regando-os até pegarem!

Na Horta: semear ao ar livre e local definitivo acelga, agrião, alfaces, alho porro, cebola, cenoura, chicória, fava, feijão, nabo, rabanete, repolho, salsa, tomate.
colher feijões e cebolas maiores para sementes.
No jardim: ir preparando o composto e semear amores prefeitos, begónias, cravos, gipsófilas, margarias e as de florescimento primaverial.
Plantar bolbos: jacintos e túlipas.

Estou maravilhado. Adoro o Borda d'Água.

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Memorável


Faz hoje 26 anos que foi gravado este concerto.
A quantidade de vezes que ouvi de fio a pavio este disco não tem conta.

Efemérides

Faz hoje 32 anos que acabou o Verão Quente de 75.

A 19 de Setembro de 1975 Pinheiro de Azevedo substitui Vasco Gonçalves no cargo de primeiro-ministro de Portugal.

Para os mais ousados

Diz-nos o DN que os SEX PISTOLS se vão reunir para comemorar o 30º aniversário do seminal Never Mind The Bollocks, Here's The Sex Pistols, álbum marcante na história do PUNK, editado a 28 de Outubro de 1977. O concerto está marcado para 8 de Novembro na Brixton Academy.

terça-feira, 11 de setembro de 2007

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

POIS É

Essa dupla pergunta — aí ao lado, bem em cima dos nomes dos «contribuidores» — vem mesmo a calhar; de facto, muitos deles devem estar à espera do Natal, para escreverem uns postais de Boas Festas...! Deve ser este, aliás, o único blogue colectivo em que há «autores» que nunca escreveram um post, em quase um ano na blogosfera.

AS AMIZADES FILIPADAS SÃO PARA TODA A VIDA

Ora espreitem lá esta história verídica que se passou ontem comigo: é só clicar.

sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Já cansa!


Diana, Diana, Diana, Diana.... mas pode ser a Chaves, em vez da outra?
Por exemplo Lady Di Chaves. Ainda para mais deve ter nascido nos turbolentos anos da nossa aqui aclamada juventude!

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

E AGORA?...

... Agora, este postal (post, em língua estrangeira; «posta», em linguagem cá da casa) é o n.º 500. Venham mais 500!

E agora

Está quase a acabar agosto! Passamos a sofrer? ou simplesmente a suportar?

domingo, 26 de agosto de 2007

POSTAL DE FÉRIAS

Estando eu a banhos em mui antiga praia de Portugal, dou de caras com três filipadas. Nenhuma é (ainda) co-autora deste blogue. Espero que o venham espreitar e que se inscrevam para postarem. Receio poder estar a esquecer-me de alguém, mas, para já, este trio é que me leva a postar neste obscuro canto de um café (em voga, vá-se lá saber porquê) nesta terra de atlânticos banhos. A primeira, esteve no jantar deste ano, e deve estar no limite de geração deste blogue (terá entrado em 1984...?), mas é já uma simpática mãe de numerosa família; a segunda, apareceu por cá, de rompante, ontem à noite, trazendo-me a este mesmo café (sim, pois ela é de cá e eu não), para logo regressar à Capital do (antigo) Império, e sobre esta querida filipada já em tempos aqui falei; a terceira, e última, surge hoje perante mim na praia (também é de cá), e não a via há 25 anos! Recapitulando: «Em todo e qualquer lado há sempre um filipado». Na versão feminina não rima, mas é muito mais agradável.

sábado, 25 de agosto de 2007

Visto dos céus


Com a possibilidade do Google maps, podemos ver a fachada e como o terreno deslizava no sentido de Peniche tendo uma vista absoltamente magnífica, avistando-se desde a praia da consolação, o Porto de Peniche, o Baleal e a costa quase atéà Nazaré.
D. Pedro necessitava dessa protecção. Os campos em volta eram bons para as caçadas, outro dos grandes amores de D. Pedro. ( já agora a leitura de Mário Domingues "Inês de castro na Vida de D. Pedro" dá uma excelente perspectiva deste ninho).

Um pouco de história


Dizem, e penso que tem todo o sentido que neste local, de seu nome Paço D.Pedro, perto da Atouguia da Baleia, mais concretamente na Serra D'el Rey, concelho de Peniche, não só D. Pedro viveu longos momentos do seu Amor com D. Inês de castro como o seu filho D. João teve residência com sua distinta mulher D. Filipa de Lencastre

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Os Oculos Escuros do "Matrix"


Faz hoje 40 anos esta bonita Mulher. Desde que entrou no Matrix, que não "pode" usar oculos escuros senão reconhecem-na. Normalmente é ao contrario. Parabéns Carrie-Ann (Moss)!

domingo, 19 de agosto de 2007

Esta tem direitos de autor


Fotografia tirada com o telemóvel e pelo meu filho! Eu não fazia melhor! Tem sabido aprender com o seu paizinho!!! lol

Ontem, em Óbidos


Fui com a família ouvir esta dupla. E não cantou nem os "pássaros do sul", nem o "restolho" nem o "menino de sua mãe". Mas apesar dessa falta grave foi giro.
Abracinhos grandes a todos.

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Ó Isabel e Marchante

Já li a Filipa de Lencastre da Isabel Stilwell.

Gostei da primeira parte, mas achei a parte que se passa em Portugal uma chachada em 3 actos! Piegas, piegas, piegas que até arrelia! Só não atirei com o livro para um canto, porque depois tinha que o ir apanhar!

Happy Birthday to You


Faz hoje 49 anos.
Algo na sua expressão faz lembrar "like a virgin;
touched by the very first time..."

terça-feira, 14 de agosto de 2007

No entanto...

E apesar de tudo Torga era iberista, republicano e de esquerda. Não sou nenhuma das anteriores, mas não deixo de reconhecer o brilho a quem de direito!

Coisas sérias

"Morreu Fernando Pessoa. Mal acabei de ler a notícia no jornal, fechei a porta do consultório e meti-me pelos montes a cabo. Fui chorar com os pinheiros e com as fragas a morte do nosso maior poeta de hoje, que Portugal viu passar num caixão para a eternidade sem ao menos perguntar quem era."

Pessoa, à data da sua morte, no dia seguinte à sua frase "I know not what tomorrow will bring" escrita na cama do hospital, havia apenas publicado "A Mensagem" dentro de um concurso literário que lhe havia dado o segundo lugar.

Torga, nesta data, com apenas 28 anos, transporta já para o seu Diário, aquilo que outros, muito menores, se calhar sem escreverem diários, ou mesmo em diários, não têm agenda para ele. Torga deu a sua agenda a Pessoa.

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Para o João Marchante

Roubei do 31 da armada. Esta FENOMENAL!

"Informe , sff, a senhora ministra que no dia 18 de Dezembro do próximo ano o Manoel de Oliveira faz 100 anos. Pode ser uma das poucas oportunidades em que se festeja o centenário do nascimento de um vivo. Eu sei que com este já vão ser 3 aniversários e que não há orçamento para tanto vestido novo. Mas se for por causa disso, a senhora sempre pode tingir um de outra cor."

Rui Gonçalves, na caixa de comentários.

O verão nem sempre é assim

A Senhora Ministra da Cultura despede o mérito na pessoa da Senhora Doutora Dalila Rodrigues. Todos discordam da sua opção, mas nada a demove, nem a referência avisada do Senhor Presidente da República.

A Senhora Ministra da Cultura, bem como o Senhor Secretário de Estado da Cultura não arranjaram "agenda" para um dia que acontece de cem em cem anos, um centenário. Dizem as más línguas que a razão se prende com a possibilidade de se poder confrontar com as pessoas da cultura de Coimbra bem como com Manuel Alegre.

Quem não merece nada disto é Portugal e Miguel Torga, imensamente maior que alguma vez alguém deste governo um dia será. Torga é "ouvir o marulho", sentir o "negrilho", sentir a rudeza da Trás os Montes, a raiva de ter estado nos 10 de Junho, é viver os diários, é tanto...

Não resisto à força do último verso do Diário que transcrevo:

Coimbra, 10 de Dezembro de 1993

Requiem por mimAproxima-se o fim.

E tenho pena de acabar assim,
Em vez de natureza consumada,
Ruína humana.
Inválido do corpo
E tolhido da Alma.
Morto em todos os orgãos e sentidos.
Longo foi o caminho e desmedidos
Os sonhos que nele tive.
Mas ninguém vive
Contra as leis do destino.
E o destino não quis
Que eu cumprisse como porfiei,
E caísse de pé, num desafio.
Rio feliz a ir de encontro ao mar
Desaguar,
E, em largo oceano, eternizar
O seu esplendor torrencial de rio.


Honre-se Portugal e a Língua Portuguesa!

SLOW DE VERÃO

«Sailing» (1980), Christopher Cross.

domingo, 12 de agosto de 2007

Praia atlântica de Óbidos

São quilometros e quilometros de uma areal faluboso. Uma oferta da natureza à espera que seja desfrutada por quem assim o deseje. O ponto de rotação deste pequena amostra de filme é muito próximo da fronteira dos concelhos de Óbidos e Peniche, mas à beira-mar.

Foi uma caminhada fantástica.

Recomendo vivamente

La Traviata em Óbidos

Já viram o que perderam?

No dia 14, às 21.30 ainda podem vir assistir à Gala

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Requiem de Verdi em Óbidos

E vai haver mais.

La traviata e uma Gala. O nome é um pouco pomposo, mas cada um tem o que merece.

domingo, 5 de agosto de 2007

Ó pá, assinem!

Como já deve ser do conhecimento de todos, ocorre no mundo da Cultura, um clima bastante conturbado. Também como é do conhecimento de todos, ou pelo menos espero que assim seja, a razão de fundo prende-se com a não recondução num cargo de uma profissional de inquestionáveis provas dadas. Falamos de Dalila Rodrigues e do Museu Nacional da Arte Antiga.

Não vou opinar nada sobre o assunto, mas, e tão somente deixar aqui o link para quem assim o entender, assinar uma petição que mais não é que Uma Carta Aberta de apoio a Dalila Rodrigues .

http://www.petitiononline.com/Dalila/petition.html

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Entrei de férias hoje!



A curtir um pôr do sol que só em Óbidos, desejo a todos um bom trabalho! O país precisa de V.Exas para que eu possa ir de férias!

terça-feira, 31 de julho de 2007

domingo, 29 de julho de 2007

AGOSTO


Se calhar já não vai ser este ano...
Mas se puder escolher, quero ir-me embora em Agosto.
Não há outro como ele. Julho é como a preparação para o que se segue.
Setembro foi feito para percebermos que estamos quase em Outubro.
Agosto é único, enquanto que os outros se assemelham.
Não há nenhum como ele. Benvindo Agosto, passamos sempre muito para te ver chegar!

Ai que estou umas ganas!


Os Police iniciaram anteontem (dia 27) a digressão que reúne o trio mais de 20 anos depois do último concerto. Sting, Stewart Copeland e Andy Summers actuaram no GM Place, em Vancouver (Canadá), para uma plateia de 4.000 pessoas (concerto exclusivo para membros do clube de fãs da banda).


O concerto durou 125 minutos e o alinhamento compôs-se de 21 canções, informações avançadas pelo Billboard.O concerto dos Police começou com o hino «Message in the Bottle» e contemplou todos os grandes êxitos da banda britânica.


O alinhamento dos dois primeiros concertos incluiu as mesmas 21 canções. A actuação dos Police em Portugal acontece no dia 25 de Setembro no Estádio Nacional, em Oeiras.O alinhamento do concerto de domingo foi o seguinte:

«Message in a Bottle»

«Synchronicity II»

«Don't Stand So Close to Me»

«Voices Inside My Head»

«When the World Is Running Down, You Make the Best of What's Still Around»

«Spirits in the Material World»

«Driven to Tears»

«Walking on the Moon»

«Truth Hits Everybody»

«Every Little Thing She Does Is Magic»

«Wrapped Around Your Finger»

«The Bed's Too Big Without You»

«Murder by Numbers»

«De Do Do Do, De Da Da Da»

«Invisible Sun»

«Walking in Your Footsteps»

«Can't Stand Losing You»

«Roxanne»

«King of Pain»

«So Lonely»

«Every Breath You Take»

«Next to You»

Obras no Liceu

O João Marchante pediu para retirar a sondagem e tem toda a razão.

Mas quanto ao assunto eis as últimas:

De acordo com um assessor da Ministra da Educação, o Liceu vai ter obras de fundo em 2008/2009, pois que estão na segunda leva de edifícios escolares a serem objecto de intervenção em Lisboa. A primeira leva será feita neste ano de 2007/08.

Mais, o conselho executivo está absolutamente a par desta situação. Assim, acho que tem pouco sentido manter a petição. Mais uma vez recordo que tem mais sentido e é mais útil a constituição de uma Associação de Antigos Alunos (já existe um esboço de estatutos). A capacidade de intervenção é largamente superior à de petições.

Abraços a todos.

A TODOS OS FILIPADOS A CAMINHO DA PRAIA

«Rockaway Beach» (1977), Ramones.

sábado, 21 de julho de 2007

Voos em Prosa

Seguindo o exemplo do nosso colega João Marchante, aqui vai a minha recomendação para uma leitura de Verão:
“A Minha Andorinha” do Miguel Esteves Cardoso ainda me trás um sorriso aos lábios, e já o li vão mais de três semanas. Trata-se de uma compilação de crónicas, muito ao seu estilo irónico e perspicaz, dos nossos costumes, cultura, e linguagem. À urgência da prosa das suas obras anteriores, o MEC trás agora um poder de reflexão dificil de resistir. E voamos com ele…

“Nunca é bom sinal começar a reparar nos passarinhos. Mas as andorinhas são um caso especial. Há ali uma identidade trocada qualquer; um desenho cheio e perfeito, a tinta-da-china, que pareceu gatafunho a quem não tinha tempo a perder com complicações de uma só cor: preto, branco e azul. E cada preto, cada branco e cada azul, claro ou escuro ou cinzento, conforme a andorinha no momento em que se vê-e quando se diz, sempre muito antes de se ver. Faz o quê? Voa. Voa apesar de tudo. E, apesar de tudo, voa.”

Excerto do Prefácio de A Minha Andorinha, Miguel Esteves Cardoso